domingo, 6 de setembro de 2009

O anel perdido

Eu perdi o meu anel. De couro. De couro e prata. Foi ontem na hora do almoço quando saí com meus amigos D. e A. Foi um desses almoços rápidos, uma escapada em meio ao trabalho. Foi a seco, nem cerveja bebemos, mesmo estando calor. Então não posso sequer culpar o álcool por eu não me lembrar do que aconteceu.

Hoje, voltei ao restaurante e perguntei ao garçom que nos atendeu se ele não tinha achado o meu anel. Ele respondeu: ”Onde foi que você sentou?”

Eu apontei o local e ele disse que alguém deve ter pego o meu anel. Eu não sei quem pegou. Nem tenho certeza se perdi no restaurante ou no banheiro. É que de vez em quando eu lavava as mãos e tirava o anel.

Quando contei para a minha mulher que tinha perdido o meu anel, ela reagiu tensa, mas se acalmou quando viu que não tinha sido a aliança.

Fiquei amuado durante a tarde, mas depois relaxei. O negócio é praticar o desapego. Afinal, é só um anel. Espero que alguém fique feliz com o anel que, mesmo sem querer, eu dei.
...
Que, Mané, desapego o cacete! Hoje, voltei na loja e comprei outro igual. Meu anel está restituído.

Um comentário:

Fernando disse...

Contar vitória é mole. Duro é contar derrotas como essa... Continue assim, praticando o desapego e divertindo a massa!