sábado, 12 de setembro de 2009

Nuas razões




A escritora e roteirista Fernanda Young divulgou ontem uma lista com dez motivos que a levaram a posar nua para a Playboy. A edição deve sair ainda neste ano.

Fernanda é intelectualmente brilhante, leio seus livros e gostei especialmente de “As pessoas dos livros” (romance, 2000) e de “Dores do amor romântico” (poesia, 2005), além de ser super fã da série e dos filmes “Os Normais”, cujos roteiros ela escreve em parceria com o marido Alexandre Machado. Embora inteligência seja um ótimo afrodisíaco e eu goste de mulheres tatuadas, não sei se vou “ler” Fernanda nas páginas da Playboy. Mas isso não importa. Suas ideias não precisam de Photoshop. A lista de dez razões é bem espirituosa e prima pela falta de modéstia.

1. Salvar o erotismo das mãos da breguice
2. Não devo nada a ninguém
3. Em alguns lugares do mundo, as mulheres ainda são obrigadas a tampar seus corpos
4. Vingança pura e simples
5. Em meus livros me exponho mil vezes mais
6. Vou fazer 40 anos ano que vem
7. Irritar a minha mãe (Fernanda é apresentadora do programa "Irritando Fernanda Young", do canal GNT)
8. Estar se lixando para que os idiotas vão achar
9. É a primeira vez na história que a coelhinha da Playboy tem oito romances publicados.
10. Não existem ex-BBBs suficientes (aleluia).

Sobre o item 9, ok, é muito provável que ninguém tenha oito romances. Mas Maitê Proença foi capa da revista duas vezes e reúne com muita classe os atributos de inteligência e beleza. Bruna Lombardi, também atriz e escritora, mais ainda, mas não me lembro se posou para a Playboy.

Mas e você, minha cara, o que te levaria a posar nua? Somente o cachê? Ou nem isso?

E você, meu caro, por que não?

3 comentários:

Angelo disse...

bruna foi capa da playboy em março de 1991. linda, linda, linda...

Leandro Wirz disse...

Bela - em todos sentidos - lembrança, meu caro Ângelo. Acaso ainda tens o exemplar memorável?

Carol Nogueira disse...

Ela esqueceu de dizer, talvez porque custe admitir, outro bom motivo que a(nos) leve a se(nos) expor(mos) tanto, seja em foto ou em prosa: vaidade, beibe. Meu pecado preferido, como diria M.Pacino.