terça-feira, 4 de novembro de 2008

Pequena crônica sobre amizade e amor

Eu tenho um amigo, também escritor, 21 anos (uma maioridade!) mais velho do que eu. Eu o chamo, afetuosamente, de Bwana. Nesses 13 anos de amizade, ele me ensinou tanto quanto um pai. Com ele, aprendi sobre a vida, sobre a aventura de ser humano, sobre relacionamentos, sobre literatura.

Um fato ilustra bem a figura. Certa vez, fomos ao Maracanã assistir a um jogo do Flamengo e, para forrar o pedaço da arquibancada em que ele iria sentar-se, sacou uma edição do Le Monde Diplomatique.

Almoçamos juntos nessa semana e, como de hábito, bebemos vinho e falamos sobre mulheres, livros, planos, política (aqui sempre discordamos: ele cisma que eu sou de direita), viagens, trabalho, dinheiro, futebol, “sei lá, mil coisas”. Então ele me perguntou se estou escrevendo poesia.

Respondi que quase nada. Pedi licença para me valer de um clichê, mas a verdade é que ando feliz demais para escrever.

Ele me disse que é, sim, um clichê. Mas dispensou minhas desculpas. Uma verdade não chega à toa a clichê, afirmou.

Eu estou serenamente feliz. Eu (quase) não escrevo mais poesia. A culpa é da minha mulher.

E eu lhe sou eternamente grato.

4 comentários:

paulopaniago disse...

neste ponto, você e sérgio euclides concordam. para escrever é necessário certa dose de infelicidade.
invejo a ambos, por isto. porque escrever é a única condição em que me sinto algo próximo de felicidade.
e, como invejo, vou destilar meu venenozinho: outro que pensa igual a vocês ambos é carlos heitor cony, que passou 20 anos afastado da literatura porque se dizia feliz. rá! tomem!

Leandro Wirz disse...

Paniago, eu sou feliz ao escrever, mas raramente o que me motiva a escrever é algo próximo do que se convencionou chamar felicidade.
Eu também sou réu confesso de pecado capital: tenho innveja (do bem!) do que vc escreve lá no seu blog desabusado.
Qto a sua provocação, eu serei zen para perdoar. Afinal, te conheço e sei que teu nome do meio é sarcasmo. rsrsrsrs
Forte abraço, meu amigo!

francinne amarante disse...

hahahaaaaaa..
deixa de onda e manda logo mais poemas pra gente!

saudades! beijão.

Delaine Finatti disse...

Leandro,
Gostei muito de seu blog, pois relata posições, opiniões e sentimentos.
Quanto a sua crônica, não discordo, apenas lanço um desafio: já experimentou escrever sobre o êxtase da felicidade? Sobre o que te impulsiona a vida? Sobre o amor que te envolve nesse instante? Experimenta...
Um forte abraço,