sábado, 11 de julho de 2009

Cuidado com o cão




Feliz com o micro novo, puta tela de LCD de 19 polegadas, banda larga de 3 gigas, ela decidiu aproveitar a noite fria e preguiçosa para baixar um filminho na internet.

Escolheu o fofo “Marley & eu”, esperou a conclusão do download, fez pipoca no microondas, ajeitou o ângulo do monitor, fazendo um pequeno calço com uma caixa de Marlboro Light, e estendeu-se embaixo do edredon.

>Play>

Começa com uma paisagem carioca. “Ah, deve ser trailer”, ela pensou, sem pensar muito. A câmera vai se aproximando de um prédio na Glória, atravessa os vidros, penetrando no ambiente, e lá dentro, o que acontece é uma suruba. Nada de papo, claro, só ação.

O filme não era o do célebre cachorro. Era uma produção B com cachorras!

“Meu Deus, será que eu digitei Marlene & eu, Marli & eu, Marley & elas?!” Estava atônita, enquanto, em cena, o pau comia solto. Literalmente. Ela levantou rapidamente – que falta faz um controle remoto para computador! – e derrubou a Coca Zero sobre o edredon.

Não teve coragem para continuar assistindo para ver se na sequencia teria algum sósia bem dotado de Bob Marley. Ou pior: o filme poderia conter alguma cena repulsiva de zoofilia envolvendo um sósia do labrador Marley.

Terá o filme transmitido algum vírus venéreo para seu computador?

Do susto, uma única certeza: renovar imediatamente a carteirinha da locadora, especialmente útil em sábados cinza.

Um comentário:

W/Pinheiro disse...

Isso não acontece só com você. Um dia, por engano, um amigo “baixou” Butman pensando ser Batman, e reuniu a família na sala para juntos curtirem um filminho. Hehe...

Salve BlockBuster!