terça-feira, 28 de julho de 2009

Comer...f@#er



Minha mulher ganhou o best seller “Comer, rezar, amar”, da jornalista Elizabeth Gilberth. Leu e achou o livro apenas mediano. (Se você que a presenteou estiver lendo este texto, por favor, não se ofenda, valeu a intenção.)

O livro conta a história de uma mulher que estava frustrada, infeliz, e resolve chutar o balde e partir em busca de si mesma. Vai à Itália para se entregar à gula, à Índia para uma viagem de desenvolvimento espiritual e à Indonésia para apaixonar-se por um brasileiro em Bali. Bem, por aí, já deu para sacar qualé a do livro, né? Acho que minha mulher tem razão, mesmo com os 5 milhões de exemplares vendidos mundo afora.

Semanas atrás, vi numa livraria a versão masculina. Chama-se “Beber, jogar e f@#er”. Ah, sem frescura: “Beber, jogar e foder”. Foi escrito pelo publicitário Andrew Gottlieb e o roteiro é similar: um cara de saco cheio da porra da vida vai encher a cara na Irlanda, tentar a sorte em Las Vegas e trepar horrores na Tailândia. Embora sejam as brasileiras as mais lindas do mundo.

Mas se o livro sai com o gringo dizendo que veio f@#er no Brasil, ia chover reclamação e revolta. Iam acusar o cara de denegrir a imagem da mulher brasileira, de apologia ao condenável turismo sexual etc etc. Então, deixa o cara ir lá na Tailândia mesmo.

Quando vi o título do livro, caí na gargalhada, pela paródia despudorada e pela distinção sexista, estereotipada, mas ainda assim, verdadeira. Homens, de maneira geral, investem muito tempo nessas três atividades. Ou, pelo menos, pensando nelas. Quanto ao livro propriamente dito, não deve ser levado a sério. Há que se encarar com bom humor, e é tremendamente oportunista.

Não é o único. Basta esticar o olhar para as mesas de livros ao redor e ver outras publicações bem oportunistas. Depois do estrondoso sucesso de “Marley & eu”, você já reparou a quantidade de livros que saíram contando as peripécias dos respectivos donos com outros bichos?! Tem o livro do cachorro Spike, da cachorra Lava, do gato Dewey, do leão Christian (isso lá é nome de leão?!), e até do papagaio Alex! Não duvido que em breve saia algum livro contando a relação movimentadíssima e interativa de alguém com um peixe em seu aquário.

Todo mundo querendo faturar algum na esteira do sucesso alheio. Até eu, que estou escrevendo este texto com título apelativo sobre dois livros que não li. E não vou ler. Nem f@#endo.

2 comentários:

TeraCris disse...

risos ...fez -me rir.Também não vou ler esses tais livros. Mas continuarei lendo o seu blog. Você já deu uma olhadinha no meu?

Paulo Paniago disse...

seu estilo sarcástico-ácido está sempre com tudo, meu irmão. obrigado por me "acompanhar" lá no blog e pelas leituras atentas. abraço.