sábado, 24 de abril de 2010

I'll keep holding on


Quando ouvi pela primeira vez a voz de Mick Hucknall, fiquei surpreso por aquela estupenda voz de negra gorda do Harlem cantando soul vir de um inglês branquelo ruivo. Isso foi na segunda metade da década de 1980 quando o Simply Red estourou com “Holding back the years”.

Assisti a um show do grupo na edição do Hollywood Rock de 1988. Showzaço. De forma que ontem fui para o bis, conferir o show da “Farewell Tour”, que marca o encerramento das atividades do projeto Simply Red. Digo isso porque, embora tenha esse nome pessoa jurídica, o Simplesmente Vermelho é o ruivo Hucknall. Os demais são banda de apoio, rodiziada de tempos em tempos.

De algum modo eu e o público que lotou o Citibank Hall estávamos “holding back the years”. A platéia variava entre os 35 e os 55 anos, ou seja, gente que envelheceu com a banda.

E muitos perderam a noção ao longo dos anos. Duas mulheres estavam de vestido longo, tipo casamento. Noutro extremo, um cara de bermuda esportiva e camisa de time. Não de um Milan, ou Bayern ou Manchester. Sequer do Flamengo. Mas do time dele de pelada com os amigos. Mas o pior foi um cara passando fio dental nos dentes com a boca escancarada. Não vou nem entrar no mérito da falta de educação e do compartilhamento indesejável de intimidade. Fico imaginando o que passa na cabeça de um sujeito que vai a um show e leva fio dental...

Bem, ao que interessa: o show. A voz de Hucknall não sofreu o desgaste dos anos e continua negra e linda como sempre. Ao vivo, é tão boa quanto nas gravações. Banda ótima, com destaque para os instrumentos de sopro, e o guitarrista japa Andy Suzuki, que matou a mulherada de inveja com a longa cabeleira super lisa, sem chapinhas e escovas.

O início foi meio morno, até que “in the middle of the night, when the time is right, so sexily right”, Hucknall, consciente da força do repertório, anuncia que “now is the time, you know all these songs” e começa o festival de antigos hits com “For your babies”, do álbum “Stars”.

Daí até o final, foi só festa, com corinhos, braços e câmeras levantados (quando, no passado, eram isqueiros). Foram dois bis e o fechamento com “If you don’t know me by now”. Depois de 25 anos na estrada, pode-se, sem dúvida dizer que Hucknall e seu público se conhecem muito bem e deram um ao outro ótimos momentos.

Senti falta apenas de “Everytime we say goodbye”. Porque é fato que a cada vez que dizemos adeus, “I die a little”.

2 comentários:

Rosa Mouta disse...

Gostei muito do show em Brasília também. Apesar de ter músicas que não conhecia, achei tudo muito bom!
Só senti muita falta de "For Your Babies", que acho linda e me trás uma certa saudade das minhas aulinhas de inglês!

A banda realmente era ótima! O saxofonista então! Sensa!

Mara disse...

Nesse também fui...só que assisti por um ângulo diferente (atrás do palco, de dentro de um veleiro, no Lago Paranoá). Inesquecível! Como diria uma boa brasiliense... Massa!!!