domingo, 7 de fevereiro de 2010

Domingo de índio


Hoje, peguei a bike cedinho e pedalei rumo à praia. Logo, dei de cara com um bando de marmanjos vestidos de pantera cor de rosa. Como já estavam entornando latinhas de cerveja, em breve mijariam em mais postes do que o meu cachorro. Metros adiante, uma galerinha pintada de azul. Avatares e não Smurffs. Mas poderiam ser todos índios, considerando o ridículo da fantasia e a natureza do programa matutino sob um sol de rachar.


Estavam todos indo para o Suvaco do Cristo. Que, em função do calor, deveria estar encharcado do Seu suor sagrado e, portanto, bastante desagradável.

Falta uma semana para o carnaval no calendário, mas, na prática, ele já começou. Rio, Salvador, Olinda, Ouro Preto estão entre as cidades que ficam reféns da folia. Para circular, só no sentido anti-blocos (ou trios).

A praia estava perfeita, ainda vazia, com um mar gentil: calmo, limpo e gelado. Por volta das 11h, antes que a praia virasse o costumeiro inferno dos domingos de verão, montei na magrela e voltei para o seio do ar-condicionado.

No caminho, vi muitos fiéis saindo da igreja, a missa estava cheia. Bem, talvez haja coisas piores para se fazer num domingo de extremo calor.

Qual a sua escolha, a comunhão ou a festa pagã?

Considere votar nulo.

2 comentários:

vicbrum disse...

não da pra votar nas duas?

Heli Suassuna disse...

Putzzz... Complicado!