quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Pegabilidade




Paulo Paniago, escritor e blogueiro (vejam aatimo, desaforismos e desabusado no blogroll aí ao lado) contou que recentemente começou a fazer aulas de dança de salão. Logo na primeira aula, o professou o mandou conduzir a parceira.

Aulas de dança nos ensinam a ser homens.

Calma, feministas de plantão, mas eu acho que é do homem o papel de conduzir na pista de dança e em várias outras situações da vida. Não estou falando de homem mandão nem de mulher submissa. Estou apenas dizendo let a man be a man, and a woman be a woman. O que exatamente isso significa, é ajuste entre cada casal. Mas homem tem que saber tocar uma mulher, no equilíbrio entre virilidade e gentileza.

Outro grande amigo já fez dança de salão. Eu deveria, até para corrigir este molejo germânico que herdei. Esse meu amigo, G. (não confundir com o ponto homônimo), me surpreendeu quando disse que estava fazendo aulas de dança de salão e de culinária. É que, a princípio, essas atividades não combinavam com ele. Mas ele gostou tanto que, depois, fez extensão para sushiman.

E então ele me apresentou o conceito que havia criado e que revolucionou a minha vida: o de pegabilidade. Fazer dança de salão e de culinária aumentam o seu grau de pegabilidade. Grosso modo, o seu potencial para pegar mulher. Elas costumam gostar de homens que não pisam em seus pés e lhes servem um vinho enquanto preparam um jantar só para os dois.

Se você já é casado, matricule-se mesmo assim. Mulher precisa ser reconquistada diariamente.


ps .: a foto que ilustra este texto é a de uma cena antológica do filme Perfume de Mulher, em que Al Pacino dança um tango e demonstra como é que um homem faz para aumentar a sua pegabilidade.

7 comentários:

Paulo Paniago disse...

obrigado pela parte que me toca, leandro. de fato, aula de dança é um pouco aprender a ser homem em outras situações a que não estava habituado. quanto a estar solteiro, não é mais verdade, hahaha. não só namoro a heli, e portanto estou tecnicamente fora do mercado, como vamos nos casar, o que me deixará oficialmente fora do mercado, dentro da felicidade. abraço.

Leandro Wirz disse...

Creio que antes de bancar o apresentador do JN e dizer "desculpe a nossa falha", devo felicita-lo pela excelente notícia!!! Receba já o meu abraço e transmita à Heli minhas desculpas pela gafe, e minha admiração pela coragem dela. rsrsrsrs. Como disse Niemeyer: "A vida é uma mulher ao lado e o resto seja o que Deus quiser." Felicidades, amigo!

Mara disse...

lê, adoro esse teu jeito de narrar o cotidiano...qdo vai nos presentear com um livro de crônicas?
Ps.: tb acredito muito nessa coisa da "pegada". Bjs mara melo(bsb)

Ciça Calvoso disse...

Muito bem! Parabéns, meninos! E aumentar a pegabilidade dentro de casa deve mesmo ser um empenho constante.
... E que seja só dentro de casa!

Heli Suassuna disse...

Compreender o papel do homem é essencial para uma mulher; e aceitar o papel da mulher é essencial para o homem. A mistura faz com que o relacionamento seja melhor, creio eu.
Na dança, o homem é quem manda. Concordo plenamente. O homem precisa mandar, conduzir, guiar, dar a direção. Deixando para a mulher o papel de seguidora, apreciodora e exibicionista.
Também por isso gosto tanto da dança.

Baggus disse...

escrever e falar sobre pegabilidade aumenta a pegabilidade???

Leandro Wirz disse...

Caro Baggus,
Espero ardentemente que sim! Afinal, não sei dançar, nem cozinhar...