sábado, 27 de novembro de 2010

Preparar! Apontar! ...


Nessa semana em que os confrontos entre narcotraficantes e a polícia ganharam contornos de guerra civil no Rio de Janeiro, umas das imagens mais impressionantes foi a de um bando fugindo por uma estrada de terra que liga a Vila Cruzeiro ao Complexo do Alemão, após combate com policiais.


A pergunta que muita gente fez foi por que a polícia não aproveitou esse momento exato para, com os helicópteros que acompanhavam a operação, abrir fogo contra os bandidos desbaratados em fuga?

Certamente não foi falta de vontade, nem de recursos materiais e humanos. Suponho que o que tenha segurado o dedo dos policiais no gatilho tenha sido a mídia. Com as lentes das câmeras e os olhos do mundo voltados para o conflito, se metralhassem os bandidos em fuga aqueles ativistas defensores dos direitos humanos dos bandidos fariam um escarcéu.

Aliás, se espalhou pelo Twitter o post: “Policial que matar três bandidos pede música no Fantástico”. Para quem é de fora e não entendeu, é o seguinte: jogador que faz três gols em uma rodada do campeonato pede para tocar a sua música favorita no programa Fantástico.

A guerra contra o narcotráfico no Rio tardou a começar. Tomara que não tarde a terminar. E que vença o menos pior, ou seja, a polícia.





ps.: o Rio de Janeiro continua lindo.

3 comentários:

Mirelle Siqueira disse...

eu nao tinha lido essa da musica. gostei. to contigo e nao abro. e sim, ele sera sempre lindo!

Leandro Wirz disse...

Só para esclarecer: não fui o autor do post que se espalhou pelo twitter. Mas eu concordo.

Celso Cavalcanti disse...

Vamos com calma, Leandro. Rito sumário também não. Se o bandido não está com a arma em punho, colocando em risco a vida dos policiais ou da população, deve ser preso, e não simplesmente executado. Senão o policial vira juiz, e não é esse o papel dele.