sábado, 23 de julho de 2011

And I go back to black

Em 6 de setembro de 2008, escrevi sobre uma exposição em Londres - "Forever 27"- em homenagem aos roqueiros que morreram precocemente nessa idade. Publiquei também um post intitulado "Será que Amy chega aos 27?", em que comentava a sua via crúcis pública.

Pois é, Amy chegou aos 27. E foi tudo. Hoje ela ratificou a maldição do 27 para a música e morreu de overdose. Uma perda enorme. Amy, integrava junto com Adele, Joss Stone e Duffy uma geração de cantoras britânicas que faz soul music da melhor qualidade neste início de século.

Não há muito o que escrever. Há muito o que lamentar. Era previsível, claro, mas quem há de condená-la? Só ela sabia a intensidade de sua dor. As drogas a corroeram. Pena mesmo que ela não tenha segurado o rojão que é esta vida.

Vamos apenas ouvi-la. Por muitos e muitos anos. Obrigado, Amy, pela boa música que você nos deu.




ps.: leiam também no blog Olho de Prosa, o que Celso Cavalcanti escreveu sobre Amy.

3 comentários:

Celso Cavalcanti disse...

Leandro, mostrei para meu filho de 11 anos seu post "Será que Amy chega aos 27?". A reação dele: "Caraca, ele adivinha o futuro!"

L.M. disse...

Estou totalmente de acordo com vc. Apesar dela ter se corroído com a droga, era realmente uma ótima cantora, com a qualidade que poucos viram. Foi uma perda enorme para todos...
um abraço
luiza

Leandro Wirz disse...

Celso, fala pro teu filho que essa "advinhação" foi fácil. Infelizmente, era previsível. Do futuro, eu quero mesmo é advinhar os números da Megasena.