terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Não compre na XXX.com

Faz um calor dos diabos no Rio e eu odeio o calor.

No dia 7.12.2009, tentei comprar um ar-condicionado no site de uma loja.com. Por algum problema de processamento, o pedido ficou pendente de autorização, segundo a loja, da administradora do cartão de crédito. Estranhei, porque eu não tinha nenhum problema de limite ou de restrição ao crédito.

No dia seguinte, 8.12.2009, como o pedido continuava pendente, eu escrevi um e-mail à loja, pedindo cancelamento.

No dia 19.12.2009, recebi um surpreendente e-mail da loja avisando que meu pedido acabara de ser aprovado (12 dias depois!!!!) e o produto seria entregue em 23.12.2009. Naquela mesma tarde, perdi duas horas da minha vida solicitando cancelamento do pedido por e-mail e conversando por telefone com a Central de Atendimento. Depois de três ligações, porque sempre que eu falava a palavra mágica “cancelamento”, o sistema ficava momentaneamente fora do ar e, como eu insistia, a linha caía. Além disso, perdi tempo de vida teclando com a atendente do Ajuda On-line. Este foi o mais surreal dos contatos, porque a atendente escrevia que eu tinha que esperar o meu pedido estar em “status de cancelamento”, para então fazer contato com a empresa e pedir o cancelamento.

E eu, tolo, achando que usar todos os meios disponíveis (e-mail, telefone e ajuda on-line) fosse fazer contato. Eu dizia que já estava fazendo contato e pedindo o cancelamento. E ela dizia que o procedimento correto seria futuramente eu fazer novo contato para ... etc etc etc bla bla bla

No mesmo sábado, 19, entrei em contato com o banco emissor do meu cartão e com a administradora dizendo que não reconhecia a “compra” feita 12 dias depois e pedindo o estorno em minha fatura. O banco, que diz que eu sou cliente especial, sequer me respondeu. A administradora do cartão disse que só poderia não cobrar se a loja virtual não faturasse. Resultado: pedi o cancelamento do cartão.

Hoje, 22,12.2009 recebi novo e-mail da loja dizendo que o produto foi entregue à transportadora. O que eu fiz? Enviei outro e-mail pedindo cancelamento. Não sei em que status o meu pedido se encontra, porque quando tento saber pelo site, dá erro no servidor da loja.

Amanhã, devem tentar me entregar o produto, o qual me recusarei a receber. Não comprei, não recebo.

Aprendi que a loja virtual pode ser mais infernal do que o calor dos diabos que faz no Rio. Ela, sim, é que me deixa de cabeça quente.

Faça um favor a si mesmo: não compre na tal loja.com. Não compre, porque cancelar é missão impossível. E indique a loja virtual para os seus inimigos. Ou, dada a precariedade dos serviços, melhor nome não seria Cubanas.com?





ps.: obviamente, recebi e já estou usando o ar-condicionado que comprei numa empresa que sabe trabalhar.

3 comentários:

Eder Barbosa de Melo disse...

Eu faria uma lista que daria a volta ao mundo com a quantidade de produtos e serviços que além de não terem padrão de qualidade, desrepeitam seus clientes na maior cara de pau. A pouco comprei duas passagens aereas para minha irmã e meu cunhado virem a Natal me visitar, a dor de cabeça foi tanta, por TAManho descaso da empresa, que prometi nunca mais usar seus serviços, até porque além de não ser dos melhores é a que os aviões mais caem. Advirto que tome cuidado sua sinceridade, pois pra nós consumidores é uma prestação de serviço, mas a pouco tempo soube de vários casos que foram parar na justiça por postagens como a sua. A liberdade de expressão da constituição esta só na constituição. A gente acaba se tornando marionete. Bom texto e execelente dica.

Eder Barbosa de Melo disse...

Outra dica: modere os comentários, porque até se o pessoal comentar e esculhachar a empresa pode sobrar pra você, como aconteceu com os outros casos: http://manguitaz.blogspot.com/2009/12/quando-uma-empresa-nao-enxerga-o-obvio.html . Boas festas!

Leandro Wirz disse...

Obrigado, Éder, pelas dicas. De fato, não quero problemas com a Justiça. Quero soluções. Sou apenas um consumidor mal atendido reivindicando seus direitos. O direito de não comprar. E de, confiante de que este é um país onde a liberdade de expressão é um direito inalienável, poder compartilhar fatos e externar opiniões. Abraço e boas festas!